Fragmentos. Coisas pequenas que surgem com os dias. Coisas que podem ser feitas. Com as mãos. Ou que podem ser vividas. Coisas que nos acrescentam. A música, um livro, um sítio, uma refeição. Que depois de incorporadas são memórias. As coisas que gostámos de viver.

sexta-feira, 21 de Dezembro de 2012

Cinco segundos.

 
Cinco segundos de tempo para dizer aquelas coisas de Natal. Mas não queria que fossem circunscritas. Queria que se espalhassem, disseminadas pelos dias todos. Pelos caminhos todos. E é isso. O melhor do que há para viver. Agora. E do que está para vir por aí.
Música. Mais. Sempre, a música. Só por ser o que ando a ouvir, por estes dias. Fica guardada, a cadência dos dias prévios.  E o livro que anda a ser lido, por agora. A querer ser uma espécie de presente de Natal.
 
Coisas boas, então. Muitas.
 

24 comentários:

Receitas ao Desafio disse...

Feliz Natal!
E parabéns pela seleção musical do blogue em 2012... muito ao meu gosto.
Maria

Babette disse...

As tuas coisas de hoje que fazem esperar passar os dias que faltam até à noite dos afectos. Um beijo,
desejando tudo de bom a ti e aos teus.
Babette
PS. E depois falamos outra vez ;)

Anónimo disse...

Não digo do Natal - digo da nata
do tempo que se coalha com o frio
e nos fica branquíssima e exacta
nas mãos que não sabem de que cio

nasceu esta semente; mas que invade
esses tempos relíquios e pardos
e faz assim que o coração se agrade
de terrenos de pedras e de cardos

por dezembros cobertos. Só então
é que descobre dias de brancura
esta nova pupila, outra visão

e as cores da terra são feroz loucura
moídas numa só, e feitas pão
com que a vida resiste, e anda, e dura.

Pedro Tamen

Um Natal de luz e de paz,
Marta
(Leça)

panelasemdepressao disse...

Mar
Também aqui mora esse sentimento que generosamente me transmitiu. As suas "partilhas" acrescentam sempre, desde a primeira "visita". Por isso, fica a minha gratidão. Escolhi esse livro para entregar na noite especial a alguém próximo. Com a certeza que seriam palavras sabias e pacificadoras, como tudo o que sai daquela mão. Com a certeza que também eu o irei ler nos dias subsequentes.
Um abraço com votos de um Natal feliz com os que carrega no peito.
Guida

Ilídia disse...

Coisas boas para ti também, minha querida. Em 2013 e sempre.
Um beijo grande da tua amiga açoriana.
Ilídia

Gisela disse...

Um Feliz Natal cheio de tudo o que de melhor houver.
Um beijinho

Mar disse...

Olá Maria:

Um Feliz Natal para si também. E bom que goste da música que fica.

Beijo.

Mar

Mar disse...

Olá Babette:

Até que chegue essa noite, sim. Embora este ano não seja eu a pôr a mesa de Natal. Sentar-me-ei. Bom que seja também assim.

As mesmas coisas boas para ti. Para as nossas pessoas.

Um beijo.

Mar

Mar disse...

Olá Marta:

Há muitas Martas no mundo. Mas a de Leça é irrepetível:) Muito obrigada pelo Natal feito poesia. Pela semente que invade o tempo.

Um beijo de Natal para si.

Mar

Mar disse...

Olá Guida:

É tal como escrevi no seu blog. Faz bem. Olhar. Ler. Gosto muito. Sempre. Um reduto, o seu espaço. Há-de gostar do livro. Adivinho que sim. Há um fragmento particular: "Deus na cozinha". E tudo o mais com que ficamos, depois de ler.

Um Natal feliz, que se dissemine.

Mar

Mar disse...

Olá Ilídia:

O melhor das coisas que fazem parte das nossas vidas. Está a chegar ao fim, o ano. Quase no fim.

Um beijo de Natal a atravessar o mar.

Mar

Mar disse...

Olá Gisela:

O mesmo Natal feliz. Para ti. Para aqueles que amas.

Um beijo.

Mar

Bolo ao Cubo disse...

Feliz Natal minha Isa,
bons presentes os que a fotografia nos dá, e a música e o teu texto. Nós já demos o nosso abraço de Natal e já trocámos os nossos presentes. Antes do tempo, dentro do nosso tempo.
Obrigada pelo casaco pequenino, de uma lã branca, para o pequenino daqui.
Um beijinho grande da Pipinha!
***



Mar disse...

Hoje andei a ver coisas que me fizeram pensar no teu/nosso pequenino:) Muito feliz, eu. Pela tua vida. Pela vida que trazes em ti.

Feliz Natal da tua Isa. Nunca tive o meu nome inteiro. Partido ao meio, o nome.

Um beijo.

Mar

Anónimo disse...

o novo livro do tolentino é um doce, já li recomendo vivamente.
catarina ramos

Anónimo disse...

bom gosto, nenhum caminho será longo - é um livro profundo e surpreendente, uma espécie de refugio para estes tempo difícil
antónia botton

Mar disse...

Olá Catarina:

É sim. Muitas coisas, este livro. Obrigada por essa confirmação. Bom ano para si.

Mar

Mar disse...

Olá Antónia:

Tempos difíceis pedem profundidade desta. E o silêncio de um livro assim. Tem toda a razão.

Um bom ano para si. Para todos.

Mar

Anónimo disse...

já li o livro é maravilhoso
joana dias

Mar disse...

Olá Joana:

Maravilhoso que o tenha lido.

Mar

Anónimo disse...

Há um provérbio que diz: «Viver sem amigos é
morrer sem testemunhas.» Os amigos trazem à
nossa vida uma espécie de atestação. Os amigos sa -
bem o que é para nós o tempo. Eles testemunham
que somos, que fizemos, que amamos, que perseguimos
determinados sonhos e que fomos perseguidos
por este ou aquele sofrimento. E fazem-no
não com a superficialidade que, na maior parte das
vezes, é a das convenções, mas com a forma comprometida
de quem acompanha. O olhar do amigo
é uma âncora.
José Tolentino Mendonça, in Nenhum Caminho Será Longo

Anónimo disse...

«A amizade é o acolhimento de um intervalo puro que,
de mim a esse outro que é um amigo,
mensura tudo o que há entre nós.»
José Tolentino Mendonça, in Nenhum Caminho Será Longo

Mar disse...

À anónima ou anónimo que deixou fragmentos de Nenhum caminho será longo:

As minhas desculpas. Olhei para as datas. E queria pedir desculpa por só agora escrever. Não vi antes. Depois das desculpas, a minha gratidão. Por ter escrito o que leu. Uma partilha cheia de significado, essa. A juntar a muitas outras coisas boas de partilhar. Quando é assim, nenhum dos nossos caminhos é longo.

Obrigada.

Mar

Anónimo disse...

grande, grande livro...
rosa