Cronologia.



Todos os dias descia as escadas em direcção à roseira mais bonita de todas. Por ser a das rosas com o perfume mais intenso. E nada. Ainda não era altura. Todas as outras roseiras estavam em pleno. Depois, perdiam as rosas. Depois recuperavam. Mas a minha roseira preferida mantinha-se impassível. Só verde. Nada de rosa. No dia seguinte, talvez. Era todos os dias talvez amanhã. E aconteceu na sexta-feira. A primeira rosa. Linda. Um bocadinho imperfeita no desenho das pétalas. Mas plena no perfume. C'est le temps qui tu as perdu pour ta rose qui fait ta rose si importante. Uma das verdades que ouvimos na infância e que só compreendemos mais tarde. Esta rosa cor-de-rosa apareceu na sexta-feira. E o dia ficou logo mais bonito porque ela chegou. Depois de me ter feito esperar tanto tempo:).
No dia seguinte, houve sol. Muito sol para o sábado de uma semana difícil e demasiado longa. A montra de um lugar que pede para se estar às Oito em Ponto. E que só poderia ter uma daquelas frases lapidares do Oscar Wilde a abrir a porta. Esta era sobre a loucura. E a porta estava mesmo fechada. Uma pena.
Música na Casa da Música. Uma orquestra. Um pianista. Um concerto para piano e orquestra que ficou gravado. Literalmente. Numa sala dourada inundada pela luz doce de um sábado à tarde. O caos desafinado antes da harmonia. De violinos e clarinetes. Violoncelos e flautas. Violas e contrabaixos. E um piano. Antes, éclairs de chocolate e limonada fresca na Arcádia.
Uma espécie de cronologia. Mesmo sem o tanto que fica por dizer. Bom, haver coisas que permanecem nesse domínio. O do não-dito.

5 comentários:

  1. É muito bonita a espera por uma rosa. É serena e no fim, é uma alegria. As pétalas que se abrem ao cheiro e à cor.
    Boas essas cores do teu fim de semana,
    com um beijinho para ser uma semana mais ligeirinha,
    e rápida para mim e para ti também,
    da Pipinha

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Eis a cronologia da "minha" rosa: desabrochou no domingo!... E continua linda.
    Um beijo com sol e calor.
    Babette

    ResponderEliminar
  4. Olá Pipinha:

    Estas são as rosas desta altura. Aquelas que estão à mesa, em copos de água. E de que tu gostas muito. As rosas que se fazem esperar, que levam tempo a chegar. E quando chegam, é tudo diferente. Mudam tudo.
    A ver se sim, se as nossas semanas são melhores. Mais ligeiras e rápidas.

    Um beijo.

    Mar

    ResponderEliminar
  5. Como a tua rosa. Que quis ver mais mundo no domingo. Escolheu um dia de sol, para mais mundo. Que continue linda.

    Um beijo no fim do dia de sol e calor:)

    Mar

    ResponderEliminar

AddThis