Um bocadinho de Japão. Em Aveiro.




Nada fazia adivinhar que o dia iria terminar assim. Sair de casa. E ir. Levar na ideia sítios que conhecemos, em busca de coisas procuradas. Sem saber que estamos sempre na iminência de ser surpreendidos. Uma surpresa num dia de chuva. Ao passar pelo Edifício Fernando Távora, bem no centro da cidade, um vislumbre. Árvores pequenas num lugar junto à água.
E ao entrar, sentir o aroma a chá. De flor de pessegueiro, o deste dia. A acompanhar a visão das árvores japonesas que nos ensinam muitas virtudes. A começar pela da paciência. Ou do tempo que devotamos a ver crescer uma árvore.
E, apesar de não gostar de sushi e de outras coisas associadas ao Oriente, gosto muito destas arvorezinhas. Florestas condensadas, quando as vejo juntas. Como nesta exposição, onde adquiriram o estatuto de obras de arte, as árvores disciplinadas. Pelo tempo e pela paciência de quem se dedica a cuidar.  
Eram majestosas, algumas. Confirmadas pelos anos. Outras mais breves, de tão recentes. Ainda em fase de crescer, de se afirmarem enquanto árvores plenas. Muito tranquilo, o fragmento deste dia. A beber chá de flor de pessegueiro por uma taça oriental. E a contemplar uma árvore com a minha idade. A olhar prolongadamente uma árvore que começou a existir ao mesmo tempo que eu.
Fica também esta referência. Mostra de Bonsais e de Chás. De Aveiro ao Oriente. Até 17 de Abril. Todos os dias, excepto à segunda-feira. Um bocadinho de Japão. Junto à água.

2 comentários:

  1. Olá, Mar
    Uma bonita exposição. Gosto muito de bonsais, mas nem sempre sou uma boa cuidadora de plantas. Gosto de vislumbrar a ponte por entre os bonsais. Conduz-me a memórias de infância, filtradas pelo tempo que essas pequenas árvores simbolizam.
    bjs

    ResponderEliminar
  2. Olá Fa:

    Também me acontecia o mesmo. E sentia que não cuidava bem destas árvores condensadas. Mas explicaram-me alguns princípios essenciais, que tenho vindo a aplicar. Desde essa altura que têm corrido bem, as coisas.
    Que bom que esta ponte evoque memórias de infância. Filtradas pelo tempo que há nestas árvores.

    Um beijo.

    Mar

    ResponderEliminar

AddThis