O antes, o depois e um presente.



O antes é assim: pedras de gelo num copo largo, uma rodela de lima, gin (sempre Hendricks) até meio e o resto preenchido com água tónica. O tempo suficiente para esperar pelo que vem depois. Inicia-se assim o período de espera. E nunca é passiva e destituída de sentido, essa espera. Dá para ler. Dá para partilhar o dia. Uma metáfora, um copo de gin tónico. Uma metáfora partilhada.
Há música. A que o dia pedir. E um tempo inteiro para existir sem planos. Sem antecipações. Sem querer estar no dia seguinte. Sempre mais à frente, que queremos estar. Um gin tónico ao final do dia significa dar início ao momento em que tudo o que foi sentido e pensado é lentamente integrado. À medida de todos os passos que vão dar a um jantar. Neste dia, o depois, foi risotto de aipo. A receita do dia, no blog em que todos os dias são de festa. Saber que tudo é acompanhado pela música. Por todo o lado, a minha música. Divergente, de vez em quando. Mas sei que há-de ser o som daquele dia. Deste dia. 
Um presente. A amizade num presente azul. Que já encontrou lugar no lugar onde se faz comida. Saber que o carinho de um amigo está também aqui, agora. E dizer obrigada ao meu pintor boémio:)
O livro é o de um filósofo francês. A ser lido pelo meu filósofo. Depois, serei eu. A percorrer as páginas sublinhadas e cheias de anotações. El placer de vivir. Nem de propósito. A imagem de um copo de gin tónico. Um livro. Um catálogo de relógios. Coisas que são ele. Que são toda a singularidade de um homem singular. 

NB: A receita do risotto de aipo (o depois) está ali ao lado, nos sítios que sigo de perto:
A Festa de Babette.
   

4 comentários:

  1. Mar
    O meu pai tinha um fascínio indizível por relógios:de pulso,de mesa, de parede, de pé.
    Passou-nos esse gosto e deixou muito de si em tantos relógios que abundam em todas as divisões da minha casa.Quando tocam,é como se o meu pai falasse connosco.Era esta ligação ao tempo e à vida que o fascinava, que nos fascina!
    beijinho e umas férias boas e,de certeza, muito merecidas.
    Emília Melo

    ResponderEliminar
  2. Olá Mar,
    Que bom esse gin, vou ter de esperar mais um tempo ainda me vai saber melhor acho eu...

    O risotto de aipo esse sim ainda vai entrar na ementa desta semana.

    bjinhos
    sandra

    ResponderEliminar
  3. Olá Emília:

    Gosto muito deste e de outros traços do meu marido. Apesar de eu não gostar de usar relógios, acho muito bonito que para ele sejam objectos de culto e belos. Coisas para deixar a um filho. Como na publicidade, we just take care of it for the next generation. Como aconteceu com o seu pai. Que se assinala também na cadência dos relógios. Mais uma maneira de ser evocado. Obrigada a si pela evocação. E pelas palavras que acarinho sempre. É bom regressar aos nossos lugares.

    Um beijo.

    Mar

    ResponderEliminar
  4. Olá Sandra:

    Sim, melhor esperar pela parte do gin tónico. Desconfio que a tua pequena não iria achar muita piada a leite materno misturado com gin:) Mas sim, vais ver que te sabe melhor quando voltares. Comigo foi assim. E acredita que foi depois de muito tempo, porque pelos vistos, o alimento preferido do meu filho, era mesmo o leite da mãe:)
    Espero que o risotto da Babette te tenha sabido tão bem como a mim, neste dia.

    Um beijo.

    Mar

    ResponderEliminar

AddThis