Em suspenso.



Sem história, estas imagens. Por todas as histórias que encerram. Pelo não-dito que evocam. Um palacete. Consumido pelo tempo. Uma edificação a tentar resistir à voracidade. Degraus onde há muito não há passos. Salas onde há muito não há vozes. Janelas partidas para o horizonte limpo, de tão infinito. Um jardim com camélias e peónias. E ervas que crescem indisplinadamente. Um lago sem água. Todo o silêncio imemorial de uma casa a decair.
Uma história para este lugar. Um lugar que pede uma história. Um lugar que pede uma história com pessoas. Vida. Dar vida a um lugar adiado. Suspenso. Em suspenso.

2 comentários:

  1. Boa noite Mar
    Veêm-se inúmeros destes palacetes por todo o Centro e Norte de Portugal. "Casas de Brasileiro."Os Torna-viagem.Uma arquitectura muito própria. Paredes revestidas de azulejo ou caiadas. Aqui e ali o majestoso granito.No jardim, quase sempre se impunha uma palmeira. Palmeira-imperial.Símbolo do Império. A 1ª foi plantada por D.João VI no Rio de Janeiro.Os Torna-viagem espalharam-nas por Portugal como evidência de poder, classe, distinção.
    Pedras e jardins que falam. Testemunhos de Amor e Ódio. Ne nascimentos e mortes.De auge. Agora de decadência.
    Triste ver a descida.Das casas. Dos jardins. Das pessoas.
    Uma boa semana de trabalho. Com muita Primavera.No jardim e no coração.
    Beijinhos
    Emília melo

    ResponderEliminar
  2. Olá Emília,

    Gosto muito destas casas. Pelos traços românticos. Por alguns detalhes que antes eram considerados excessivos, mas que acabaram por resistir ao tempo. Pela nobreza dos materiais, muito provavelmente.
    Mas sim. Pedras e jardins que falam. Embora decadentes. Gosto do silêncio da decadência. Embora me apeteça dar vida a este silêncio. A seu tempo, sim. Vida onde havia silêncio.
    E a Primavera está quase. Quase em mim. E no jardim. É quase dia 21 de Março. O tempo a passar.

    Um beijo de Primavera para si!

    Mar

    ResponderEliminar

AddThis